Valor de Mercado x Patrimonial

Siga os Números | Pacotes de cobertura | Negócios e empresas | Conceitos essenciais | Valor de Mercado x Patrimonial

Quanto vale uma empresa? Há pelo menos duas formas de calcular que você precisa conhecer para conseguir navegar na cobertura de negócios. Cada uma dá um resultado que pode ser útil para um ou outro tipo de análise.

Uma dessas formas é o valor patrimonial, também conhecido como valor contábil. O nome já diz muito: é o valor dos recursos próprios de uma empresa, que aparecem no seu balanço patrimonial. Basicamente, é quanto vale o patrimônio líquido da companhia. E por patrimônio líquido, contabilmente, entende-se a diferença entre todos os ativos (bens e direitos) e todos os passivos (obrigações, como dívidas) de uma empresa – em outras palavras, é o que sobra dessa conta.(1)(2)

Essas três informações – ativos, passivos e patrimônio líquido – são as principais a serem procuradas em um balanço patrimonial. Graficamente, ele costuma ser apresentado na forma de uma tabela com duas grandes colunas. Do lado esquerdo são descritos os ativos – o caixa, as aplicações financeiras, os estoques, as contas a receber de clientes, os imóveis, entre outros. Do direito, primeiro vêm os passivos – empréstimos e financiamentos, pagamentos pendentes a fornecedores, impostos e benefícios a empregados, por exemplo. Ainda do lado direito, na parte inferior, estão os itens do patrimônio líquido, como capital social e reservas de lucro. Os dois lados sempre resultam no mesmo valor. Significa que a soma dos passivos e do patrimônio líquido deve ser igual aos ativos. Pois é justamente daí que se infere, como explicado no parágrafo anterior, que o patrimônio líquido é igual aos ativos menos os passivos. Bingo!

Veja isso tudo na prática nessa versão adaptada do balanço patrimonial da companhia de alimentos BRF, dona de marcas como Sadia, referente ao terceiro trimestre de 2016:

e-book-pacote-de-negocios-valor-de-mercado-e-patrimonial-brf-1
Clique na imagem para abri-la e ver as informações em detalhes

A outra forma de calcular quanto vale uma empresa é o seu valor de mercado – ou o valor pelo qual uma companhia efetivamente é (ou seria) negociada. Resumidamente, é o valor que o mercado estaria disposto a pagar por ela. Pode soar vago, mas não é tanto assim. Pense em um imóvel – uma casa, digamos. Para ter uma casa, é preciso gastar dinheiro com um terreno (X), com o material de construção (Y) e com os pedreiros (Z). Poderíamos somar esses três itens para ter uma ideia de quanto vale a casa (X+Y+Z), mas é muito provável que ela seria vendida por um valor diferente disso.

Suponha que a decisão de vender a casa ocorra em um momento de crise. Não importa quanto a construção custou, é possível que seu dono precise dar um desconto para conseguir fechar o negócio, já que em tempos de crise pouca gente tem disposição para comprar um imóvel. Seu valor de mercado, nessa situação, seria de X+Y+Z-W. Também pode ocorrer o oposto. Se a casa estiver localizada em um bairro prestigiado, onde há poucos lotes vagos, seu dono poderá conseguir vendê-la por mais do que gastou para erguê-la. O mercado, afinal, talvez esteja propenso a pagar X+Y+Z+W pelo imóvel.

No caso de uma empresa, funciona do mesmo jeito. Nas que têm capital aberto – com ações negociadas na bolsa de valores – é bem simples descobrir seu valor de mercado. Basta multiplicar o preço de uma ação da empresa pelo número total de ações que a empresa emitiu. O preço das ações, afinal, é o valor que o mercado está disposto a pagar por elas. Por isso, o valor de mercado é dinâmico – muda a cada dia, ao sabor das cotações. Voltando ao caso da companhia de alimentos BRF: seu valor de mercado era de R$ 46,8 bilhões no começo de outubro de 2016. Três meses depois, o valor de mercado tinha caído para R$ 37,4 bilhões. Detalhe: como pudemos verificar no balanço da empresa, logo acima, seu valor patrimonial (seu patrimônio líquido) não chegava nem a R$ 13 bilhões no fim de setembro de 2016. A diferença é impressionante!

Esses dois conceitos são muito utilizados, mas adequados para objetivos específicos. O valor patrimonial costuma ser considerado uma referência a partir da qual calcular o preço de uma empresa que vai ser vendida, por exemplo. Não é de se esperar que uma companhia seja negociada abaixo do seu valor patrimonial – ela, afinal, deveria valer, no mínimo, o mesmo que vale a soma dos seus bens, não é verdade? Mas pode acontecer. É o caso quando há a expectativa de que uma empresa vá ter um grande prejuízo, pois para fazer frente a essa perda o patrimônio precisaria ser consumido. Ou quando há um período de muita turbulência na bolsa de valores, que leva a distorções nos preços das ações.

Aliás, um indicador financeiro muito utilizado para avaliar se uma empresa está “cara” ou “barata” na bolsa de valores é justamente a comparação entre o valor de mercado e o valor patrimonial. Ou, na linguagem dos analistas, o indicador P/VPA (preço/valor patrimonial da ação). Preço é a cotação da ação (seu valor de mercado). O valor patrimonial da ação se obtém dividindo o valor patrimonial da empresa pelo número de ações que ela emitiu. Se o P/VPA de uma empresa for menor do que 1, é sinal de que suas ações estão sendo negociadas na bolsa por um valor menor que o patrimonial (para um investidor, pode ser um indicativo de que elas estão “baratas” e, por isso, vale a pena comprá-las na esperança de que se valorizem). Se o indicador for maior que 1, é o contrário.

Bônus: Além do valor patrimonial e do valor de mercado, há ainda o conceito de valor justo, utilizado com frequência em reportagens de negócios. Ele representa não o quanto uma empresa vale efetivamente, mas quanto seria justo que valesse. Como explica o livro  TOP – Mercado de Valores Mobiliários Brasileiro, o valor justo é calculado a partir do comportamento dos fundamentos quantitativos, expectativas de geração de fluxo de caixa, padrões de desconto e risco, além de aspectos como gestão, governança, sustentabilidade, tecnologia e imagem de uma empresa.

Aprofunde o que você já sabe sobre o valor de uma empresa com os seguintes materiais:

  • O livro Fundamentos de Administração Financeira traz detalhes sobre a relação entre valor de mercado e valor patrimonial a partir da página 28.
  • Valor potencial, valor terminal… É força de valor! Conheça outras formas de avaliar uma empresa na página 350 do livro  TOP – Mercado de Valores Mobiliários Brasileiro.
  • Tente você mesmo calcular o valor de mercado e o valor patrimonial de algumas empresas com ações negociadas na BM&FBovespa. As cotações dos papéis você já aprendeu a pesquisar na seção BM&FBovespa deste manual (olha aí uma colher de chá, vai – encontre as cotações neste link). Os dados sobre o patrimônio líquido de uma empresa e o número de ações que ela emitiu estão disponíveis na página de cada companhia mantida no site da bolsa. É só pesquisar sobre as que interessarem a você aqui, prestar atenção nos itens Dados Econômico-Financeiros e Composição do Capital Social e então fazer as contas. Quantas das empresas que você pesquisou estão “caras” ou “baratas”?

Siga adiante:
Onde encontrar dados de negócios e empresas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s